domingo, 18 de novembro de 2012

Jane Austen e a música de Mozart

        Jane Austen e Mozart combinam muito bem! Unem a genialidade, a ironia e o bom humor. Ouvir Mozart é como ler Jane, não dá pra explicar é só lendo e ouvindo. 

      Wolfgang Amadeus Mozart foi um compositor austríaco que viveu entre 1756-1791. Tinha então 19 anos quando nasceu Jane Austen. Era um gênio musical! Aprendeu violino quase que sozinho com apenas 5 anos e dominava o piano. Seu ouvido musical era inigualável, era capaz de reproduzir melodias complexas escutando apenas uma vez. 
Mozart criança
     Mozart é o grande ícone do Classicismo, onde o estilo Sonata foi desenvolvido e até hoje obedecido. Escreveu óperas, musicas para piano, Concertos e Sinfonias.
     Conta-se que Mozart pode ter dado algumas aulas ao jovem Beethoven (14 anos mais novo) que foi para 
Viena estudar com ele. Beethoven também iniciou dentro do classicismo, mas a partir de sua terceira sinfonia já mostrou figuras do romantismo e foi classificado como um pré-romântico.
     Curiosidade:
  • Beethoven, um grande gênio, viveu 56 anos e compôs 9 sinfonias
  • Mozart viveu apenas 35 anos e compôs 41 sinfonias

    O grande problema de Mozart era que desde criança seu pai, ciente de seu talento, o levou por toda a Europa em tournées e isso deu a ele um certo ar arrogante de seus valores. 

     Naquela época, os músicos trabalhavam para os nobres, compondo  para ocasiões especiais ou quando fossem solicitados e Mozart não aceitava ordens, queria fazer tudo ao seu jeito; dessa forma, não parava em emprego, gastava tudo o que ganhava, tinha problemas financeiros, se estressava demais e jogava fora sua saúde, morrendo ainda muito jovem e pobre. Os seus créditos como excepcional compositor veio mesmo depois de sua morte.

     Jane Austen e seus familiares devem ter ouvido  muito falar muito em óperas, talvez até tivessem assistido algumas, pois Jane morou em Bath (uma grande cidade) e eram bem comuns entre o final do séc. XVIII e início do XIX
     A ópera (espécie de teatro cantado),  era quase que sempre em italiano (a pátria da música), um idioma melodioso, sem "s" nos plurais das palavras, "cantabile", mas Mozart quis compor sua última ópera "A flauta mágica" em alemão (língua oficial da Áustria). Um idioma com fonemas difíceis, cheio de consoantes pronunciadas que funcionam como freios no meio das palavras, nada "cantabile", todos foram contra, mas sua teimosia resultou na sua obra prima: podemos escutar aqui, em "A abadia de Northanger" (2007), um trecho da ópera "A flauta mágica", a conhecidíssima "Aria da rainha da noite" assistida de camarote:
video
   A música do Classicismo (1750-1790) período musical ao qual Mozart pertenceu, é considerada perfeita, com muita formalidade. Harmonia e equilíbrio são as palavras mestras do Classicismo. 
   Mas a música de Mozart é grandiosa!!! Acordes cheios, redondos, mas de um sentimento inexplicável! É profunda e belíssima. Mozart é um dos meus favoritos. A gente escuta e sabe que é Mozart! Sua música faz relaxar, acalmar e desacelerar o pensamento (fatos comprovados por uma série de pesquisas). 

   Como é dito: "Das óperas aos concertos, das sinfonias às sonatas, tudo que o que leva sua assinatura tende à perfeição".

    Decerto, a música de Mozart era muito apreciada por Jane Austen, sua família e amigos. Quando   ele morreu Jane já escrevia. Podemos ouvir Mozart em várias outras adaptações de suas obras.


     Em  Persuasão (2007), a grandiosa "Sinfonia nº 25", enquanto Anne Elliot, Cap. Wentworth e Mr. Elliot decidem o que fazer de suas vidas:

video
       Em "Orgulho e preconceito" (1995):
Enquanto as "apresentações" da família Bennet deixam Jane e Elizabeth constrangidas, a irmã mais velha de Mr. Bingley mostra seus dons no baile de Netherfield com o rondó "Marcha  turca", da Sonata para piano nº 11 em lá maior":
video
e quem não se lembra da ária que Lizzie canta em Pemberley, "Voi che sapete che cosa é amor", da ópera "As bodas de Fígaro":
video
há ainda outras, como:
  • no episódio 3, o "Andante grazioso" da "Sonata para piano no. 11 em lá maior
  • no episódio 2, a marcha da ópera "As bodas de Fígaro"
  • em Emma (1996) Jane Fairfax canta a "Wiegen Lied", (uma canção para ninar). 
Fac-símile do manuscrito da "Sinfonia nº 40"
     Como podemos notar (com uma certa lógica) as peças orquestrais eram ouvidas em salas de concerto (ou ainda os mais ricos tinham como contratar uma pequena orquestra), mas as árias eram copiadas com bem mais facilidade e estavam sempre presentes na sociedade do inicio do séc. XIX.
Primeira página da Sinfonia n° 25
tocada em "Persuasão"
      Há também um livro que aborda mais a fundo essa combinação de Austen/Mozart:
    E quem ainda não viu e quiser saber mais sobre Mozart  recomendo o clássico ganhador de 5 Oscars "Amadeus" (1985).
      O filme se passa durante a infância e adolescência de Jane Austen. A moda das perucas enormes ainda era evidente. Acho interessante comparar essas datas.
     As causas de sua morte, até hoje são um mistério, pois acredita-se até que ele pode ter sido mesmo assassinado. A gargalhada do ator Tom Hulce (que interpreta, toca, rege...), diz tudo. Vale a pena!
video
     Uma pequena listinha imperdível pra começar:
  Mozart foi sem dúvida um dos maiores gênios musicais de todos os tempos!

Postagens relacionadas:
Jane Austen, a escritora pianista
Jane Austen, Beethoven e...Napoleão
A música no tempo de Jane Austen
Beethoven e Mr. Darcy

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não esqueça de deixar seu comentário, estou esperando por ele!